Maratona: a maior das corridas

Por Valter Júnior

Figura1O ano é 490 a.C. Os soldados de Atenas, na antiga Grécia, estavam em guerra há 40km de casa. Os inimigos persas juraram invadir Atenas, violar as mulheres e matar as crianças, caso vencessem. Os atenienses, em menor número e temendo uma derrota, ordenaram às mulheres que, se em 24h não tivessem notícias da guerra, matassem seus filhos e se suicidassem em seguida. Atenas saiu vitoriosa do combate, mas ainda faltava avisar as mulheres. O comandante do exército, Milcíades, escolheu Fidipedes, entre seus melhores corredores para levar a boa nova. Ele correu 40 km, por todo o vale de Maratona até Atenas para evitar o pior. Exausto, ao chegar à cidade, Fidipedes só teve fôlego para dizer: “Vencemos”, evitando assim uma grande desgraça.

Se mito ou verdade, nos primeiros Jogos Olímpicos da era moderna, em 1896, Fidipedes foi homenageado com a criação de um dos esportes mais nobres e tradicionais do mundo, a Maratona, com os mesmos 40 km que percorreu.

A partir daí, a modalidade conquistou o mundo e move milhares de atletas profissionais e amadores a completarem o percurso, já que chegar entre os primeiros é para poucos. Uma curiosidade, desde 1908, por um capricho da Rainha da Inglaterra, o percurso original da Maratona foi aumentado em 2.159 metros, para que a realeza pudesse assistir a largada sem sair de seu palácio.

Há maratonas em várias cidades do mundo. A mais famosa e antiga acontece desde 1897 em Boston, nos EUA. No Brasil, as maratonas mais disputadas são a de São Paulo (São Silvestre), Curitiba, Porto Alegre e Rio de Janeiro. Em Boston e em São Paulo os organizadores limitam o número de participantes em 25 e 20 mil, respectivamente.

Estrutura

Figura1Com o aumento no número de participantes e do grau de profissionalismo que primeiros colocados imprimiram à prova, os organizadores passaram a disponibilizar estrutura cada vez mais adequada para os atletas. As maratonas são competições que exigem alto grau de resistência física e controle emocional. O tempo médio dos primeiros colocados é pouco mais de duas horas. Os demais atletas têm cerca de seis horas para completar o percurso.

Para garantir o espetáculo e a segurança dos competidores, nas maratonas há sempre postos de água a cada dois quilômetros e ambulâncias preparadas para atender de forma rápida e eficiente. Em algumas provas são oferecidos isotônicos e gel com carboidratos, produtos adequados para atividades aeróbicas de baixa intensidade e longa duração.

Calçado

Os Jogos Olímpicos da Antiguidade, realizados na Grécia, foram o marco que separou a produção de calçados para o uso cotidiano dos utilizados nas competições esportivas. Durante as corridas, alguns atletas utilizavam sandálias feitas a partir de tiras de couro e obtinham melhores resultados que outros que corriam descalços, ou com calçados comuns. Com o desenvolvimento do esporte, no final do século XVIII, no Reino Unido, os calçados esportivos se tornaram leves e flexíveis e com capacidade de tração, era o sapato em couro com bicos e tachas para tração. Mas foi no século XX, que a indústria do calçado esportivo deu seu maior salto, com a invenção dos sistemas de amortecimento e de materiais leves e resistentes.

Cada vez mais rápidos

Desde seu surgimento, a Maratona tem sido completada em um tempo cada vez 
menor.
Atletas 
se 
superam,
 ano 
após 
ano, 
em
 busca 
de 
uma 
nova 
marca. 
Cada 
segundo 
é 
como
 se 
fosse 
uma 
eternidade 
pelo 
nível
 de 
exigência 
da 
modalidade. 
Isso 
explica 
a 
lenta, 
mas 
dramática 
e 
concorrida, 
diminuição 
do 
tempo 
de 
percurso.

Veja 
a 
evolução 
do 
recorde 
mundial 
da 
maratona 
a 
partir 
de 
1947

• Suh Yun-bok (Coréia do Sul) – 2h25min39s – Boston 19/4/47
• Jim Peters (Grã-Bretanha) – 2h20min43s – Londres 14/6/52
• Jim Peters (Grã-Bretanha) – 2h18min41s – Londres 13/6/53
• Jim Peters (Grã-Bretanha) – 2h18min35s – Finlândia 4/10/53
• Jim Peters (Grã-Bretanha) – 2h17min40s – Londres 26/6/54
• Sergei Popov (União Soviética) – 2h15min17s – Estocolmo 24/8/58
• Abebe Bikila (Etiópia) – 2h15min17s – Roma 10/9/60
• Toru Terasawa (Japão) – 2h15min16s – Japão 17/2/63
• Buddy Edelen (Estados Unidos) – 2h14min28s – Londres 15/6/63
• Basil Heatley (Grã-Bretanha) – 2h13min55s – Londres 13/6/64
• Abebe Bikila (Etiópia) – 2h12min12s – Tóquio 21/10/64
• Morio Shigematsu (Japão) – 2h12min00s – Londres 12/6/65
• Derek Clayton (Austrália) – 2h09min37s – Japão 3/12/67
• Derek Clayton (Austrália) – 2h08min34s – Bélgica 30/5/69
• Rob de Castella (Austrália) – 2h08min18s – Japão 6/12/81
• Steve Jones (Grã-Bretanha) – 2h08min05s – Chicago 21/10/84
• Carlos Lopes (Portugal) – 2h07min12s – Roterdã 20/4/85
• Belayneh Dinsamo (Etiópia) – 2h06min50s – Roterdã 17/4/88
• Ronaldo da Costa (Brasil) – 2h06min05s – Berlim 20/9/98
• Khalid Khannouchi (Estados Unidos) – 2h05min42s – Chicago 24/10/99
• Khalid Khannouchi (Estados Unidos) – 2h05min38s – Londres 14/4/02
• Paul Tergat (Quênia) – 2h04min55s – Berlim 28h9min03s
• Haile Gebrselassie (Etiópia) – 2h04min26s – Berlim 30/9/07
• Haile Gebrselassie (Etiópia) – 2h03min59s – Berlim 28/9/08

Curiosidades

Figura1Por um capricho da Rainha da Inglaterra, em 1908, o percurso original da Maratona foi aumentado em 2.159 metros, para que a realeza pudesse assistir a largada sem sair de seu palácio.

A corrida de rua mais tradicionaisl do Brasil, a prova de São Silvestre, foi criada em 1924, inspirada em uma corrida noturna francesa. Inicialmente era disputada à meia noite do dia 31 de dezembro, permanecendo neste período até 1989, quando passou a ser realizada no período vespertino.

O principal objetivo do corredor amador é completar a prova, e ter direito a uma camiseta de finisher e à medalha de conclusão da prova.

 

SOBRE A RISA REVISTA DO CALÇADO

A cada trimestre uma nova edição da Risa Revista do Calçado apresenta aos lojistas os modelos que farão sucesso nas ruas. São mais de 15 anos de publicação, com produtos atuais, arrojados e de alta qualidade. A cada estação os lojistas de todo o país conferem novas coleções e firmam parcerias com inúmeros produtores que expõem seus produtos nas páginas da Risa. Por isso, a Risa Revista do Calçado é uma ponte entre lojista e fabricante. A intenção é manter esse elo e fazer com que novas parcerias se firmem!